blog_img1

Hérnia Abdominal: tipos, causas e tratamentos

As hérnias abdominais são caracterizadas pelo escape parcial ou total de uma víscera através de uma abertura na parede abdominal. Esta abertura, geralmente, é causada por uma má formação ou pelo enfraquecimento da musculatura do abdômen. Estudos realizados pelo Ministério da Saúde indicam que entre 3% a 8% dos brasileiros apresentam algum tipo de hérnia nesta região. Elas podem aparecer em qualquer idade, até mesmo em bebês e crianças.  Neste caso, surgem quando a membrana que cobre os órgãos abdominais não fecha corretamente antes do nascimento. Em idade adulta, a hérnia pode aparecer devido ao desgaste da parede abdominal, pela realização de algum esforço físico ou após alguma cirurgia no local.  

Nem sempre as hérnias dão sinais e, por este fato, podem ficar imperceptíveis por muitos anos, principalmente quando são pequenas. No entanto, quando aparecem, causam inchaços ou caroços na região da barriga, principalmente acima ou dentro do umbigo e na virilha. Estas proeminências são formadas quando o conteúdo, geralmente intestinal, consegue ultrapassar o músculo abdominal, formando um saco herniário. Normalmente, elas não causam incômodos e a protuberância pode ser reduzida com a ajuda de cintas, por exemplo, ou pelo médico. Todavia, vale ressaltar que as hérnias podem causar fortes dores durante esforços físicos ou quando a parede do abdômen é contraída rapidamente, como em casos de tosse ou evacuação.  

Existem alguns fatores que são considerados de risco para o surgimento de hérnia, tais quais: constipação crônica, tosse crônica, fibrose cística, próstata aumentada, peso em excesso, tabagismo e outros. Os sintomas relacionados às hérnias abdominais podem surgir e desaparecer espontaneamente. Entretanto, existem casos em que a víscera pode ficar presa no orifício da hérnia, ocasionando um quadro clínico denominado encarceramento. Quando isto acontece, a circulação sanguínea sofre um bloqueio no trecho aprisionado, podendo provocar necrose. Se for em uma alça intestinal, pode provocar uma ruptura e causar peritonite, isto é, uma inflamação do revestimento da cavidade abdominal. Nestes casos de encarceramento, além da dor, os sintomas são de náuseas e vômitos.  

Os principais tipos de hérnia abdominal são: 

 

  • Hérnia Inguinal 

É a hérnia mais comum entre as abdominais, correspondendo a 80% dos registros. Ela ocorre na virilha, junção entre a coxa e a parte inferior do abdômen, e pode ser constituída por gordura, tecido conjuntivo ou parte do intestino. No geral, os homens são os mais afetados e, em alguns casos, a hérnia pode atingir também os testículos (hérnia inguinoescrotal). Segundo dados do Ministério da Previdência Social, a hérnia inguinal foi responsável por afastar mais de 80 mil pessoas do trabalho.  

Existem dois tipos de hérnias inguinais, a direta e a indireta. A direta é formada diretamente em um ponto da parede abdominal enfraquecida que, ao se romper, permite a penetração de um segmento do intestino na bolsa escrotal. A hérnia indireta, contudo, é gerada por um problema congênito do canal inguinal. Vale sublinhar que as hérnias podem ocorrer em ou nos dois lados da virilha (hérnia inguinal bilateral).  

Crianças e bebês também podem ser afetados por este tipo de hérnia. Quando um feto masculino amadurece durante a gravidez, os testículos se desenvolvem no abdômen e depois se movem para dentro do escroto através do canal inguinal. No entanto, em algumas situações, este canal pode não fechar completamente, exteriorizando uma região intestinal e causando uma hérnia. As meninas também podem desenvolver hérnias na região, mas as protuberâncias aparecerão na região dos ovários e das trompas de falópio. 

 A maioria dos casos requer cirurgia por incisão ou por videocirurgia (laparoscopia). A recuperação pós-operatória é rápida e a maioria dos pacientes ficam internados somente de 12h a 24h no hospital. As atividades regulares podem ser retomadas sem demora, porém deve-se evitar pegar peso por algum tempo. 

 

  • Hérnia umbilical (ou paraumbilical) 

Ocorre na região da cicatriz umbilical, principalmente em bebês. Neste caso, a abertura para o cordão umbilical não foi fechada completamente pelos vasos sanguíneos, causando uma pequena hérnia. Normalmente, elas desaparecem espontaneamente até os 5 anos de idade, mas se a hérnia for muito grande e não fechar até a criança completar 2 anos, o médico pode recomendar uma cirurgia. Adultos também podem apresentar hérnia umbilical decorrente de obesidade, gravidez ou excesso de líquido no abdômen (ascite). 

 

  • Hérnia Incisional 

São hérnias relacionadas às incisões ou cicatrizes provenientes de uma cirurgia anterior na região abdominal. Após o procedimento cirúrgico, a parede abdominal fica enfraquecida, o que pode vir a causar o abaulamento no local da cicatriz, isto é, a hérnia. O conteúdo herniário pode ser composto por gordura intra-abdominal ou alças intestinais. Dores ou incômodos podem surgir após esforços físicos e o tratamento é sempre cirúrgico. 

 

  • Hérnia Epigástrica 

Ocorre na linha média do abdômen (linha alba), entre o umbigo e o tórax. A hérnia é resultado de um problema congênito durante a formação desta linha, no qual os músculos retos abdominais afastam-se, permitindo a saída de tecido adiposo ou de intestino. Sua prevalência é de 10% e acomete principalmente homens com idade entre 20 e 50 anos. O tratamento é cirúrgico. 

 

O diagnóstico para todos os tipos de hérnia abdominal é realizado pelo médico através de um exame físico e, às vezes, podem ser necessários exames de imagens, como ultrassonografia ou tomografia computadorizada.  Como frisado de antemão, o tratamento padrão é cirúrgico e quanto mais cedo for realizado melhor, sendo que em casos de encarceramento, o procedimento deve ser urgente. O pós-cirúrgico é rápido e as restrições são relacionadas ao peso carregado. Existem outros tipos de tratamento, mas são apenas para aliviar os sintomas. Procure sempre um especialista caso suspeite de hérnia, principalmente em casos de inchaço.   

 

Referências: 

https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/hernia/ 

https://hospitalsiriolibanes.org.br/sua-saude/Paginas/cirurgia-tratamento-padrao-correcao-hernia-abdominal.aspx 

https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-digestivos/emerg%C3%AAncias-gastrointestinais/h%C3%A9rnia-da-parede-abdominal 

https://www.hospitalinfantilsabara.org.br/sintomas-doencas-tratamentos/hernia-inguinal-encarcerada/ 

http://www.danonebaby.com.br/saude/hernia-inguinal-diagnostico-e-tratamento/ 

https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/problemas-de-sa%C3%BAde-infantil/dist%C3%BArbios-digestivos-nas-crian%C3%A7as/h%C3%A9rnia-umbilical-em-crian%C3%A7as 

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/doencas/hernia-epigastrica.htm 

https://www.tuasaude.com/hernia-abdominal/ 

https://www.minhavida.com.br/saude/temas/hernia